Com a semeadura iniciada em março em algumas regiões, a safra 2022/23 de trigo segue com previsão de aumento de área plantada. A maior parte das regiões produtoras já finalizaram o plantio, enquanto Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina ainda estão em processo. Assim, a semeadura do trigo no país totaliza 93,6% das áreas destinadas ao cultivo, segundo o último relatório de Progresso de Safra da Conab, publicado em 18 de julho.

As previsões de mercado também são favoráveis. Apesar da oscilação nos preços, com a commodity acompanhando as idas e vindas do dólar, a escassez de trigo no mercado internacional gera demanda e valoriza o produto brasileiro.

O acompanhamento do plantio de trigo mostra que a melhora nas condições climáticas favorece o avanço da semeadura em regiões que estavam atrasadas. Ainda assim, há impactos negativos para a cultura em locais que registram alta umidade, como no sul do RS, pois a janela de plantio é prevista para este período de baixa umidade no solo, e a abundância de chuvas atrasou as operações.

Panorama da semeadura do trigo e andamento das lavouras

Confira a seguir o andamento da semeadura e as condições do estabelecimento inicial das lavouras de trigo nas principais regiões produtoras, assim como informações importantes sobre a triticultura apontadas pela Conab, no último levantamento.

Bahia

A semeadura do trigo no Estado da Bahia já foi concluída, e as plantas se encontram em estádio de desenvolvimento vegetativo ou enchimento de grãos. Há uma preocupação com a falta de chuvas, atenuada pela irrigação complementar. Assim, as lavouras irrigadas seguem em boas condições.

Goiás

De maneira geral, as áreas em sequeiro foram semeadas mais cedo e já se encerrou a colheita, pois a operação foi antecipada devido à falta de chuvas. Na região leste do Estado, a falta de umidade levou a perdas de produção em algumas áreas, com a cultura sendo destinada à cobertura do solo. As lavouras irrigadas, por outro lado, estão em condições favoráveis, em fase de maturação, com colheita prevista para agosto.

Mato Grosso do Sul

A região se encontra em condição de baixa restrição hídrica, com falta de chuva que pode interferir no desenvolvimento das plantas de trigo. Com o plantio já realizado em todas as áreas, as lavouras que foram implantadas mais cedo estão em processo de enchimento de grãos, demonstrando excelente número de afilhos.

Minas Gerais

A semeadura do trigo em Minas Gerais já está completa desde o final de maio. As regiões que tiveram plantio mais cedo já estão em fase de maturação. Em geral, as condições são consideradas boas para a cultura, apesar de haver certa preocupação com os impactos causados pelas baixas temperaturas registradas em maio, além do estresse hídrico causado pela escassez de chuvas no outono.

Paraná

De maneira geral, o Paraná é o Estado que apresenta melhores condições climáticas para o desenvolvimento do trigo. Os 99% de áreas plantadas apresentam plantas em fase de emergência ou desenvolvimento vegetativo. Lavouras do norte e do oeste paranaense estão mais adiantadas, em processo de floração.

Rio Grande do Sul

Na segunda quinzena de julho, 88% das áreas destinadas à triticultura do RS haviam sido semeadas. A alta umidade do solo na região fez com que a semeadura evoluísse de forma lenta. As lavouras já semeadas apresentam boa germinação, enquanto outras seguem em desenvolvimento vegetativo, com intensificação dos tratos culturais. Em algumas regiões, foi necessária a ressemeadura.

Santa Catarina

Com 88% de área plantada até o momento do último levantamento, a triticultura em Santa Catarina teve o calendário afetado pelas instabilidades climáticas, principalmente no extremo-oeste, região que já deveria estar com o plantio de trigo mais avançado. Houve registros de granizo na região de Chapecó, sem perdas significativas. A melhoria das condições climáticas em meados de julho favoreceu o andamento do plantio.

São Paulo

Apesar da recente falta de chuvas indicar baixa restrição hídrica na região, o Estado de São Paulo apresenta boa condição climática para o desenvolvimento da cultura, e o andamento do plantio de trigo alcançou em junho 100% da totalidade da área reservada à triticultura. As lavouras semeadas com antecedência estão em fase de floração, enquanto outras encontram-se em desenvolvimento vegetativo.

Leia também:

Projeções da safra 2022/23 de trigo e aumento da área plantada

Para esta safra de trigo, espera-se um incremento de 6,6% de área plantada em comparação com o ano anterior, de maneira a acrescentar 10,3% de produtividade (média de 3.092 kg/ha), com um aumento expressivo na produção.

Segunda a Conab, tal estimativa baseia-se em três fatores do atual cenário agrícola:

  • bons preços praticados para o trigo;

  • aumento da demanda externa ao trigo brasileiro;

  • janela de plantio favorável para a triticultura.

A confirmação dos resultados estimados para a safra 2022/23 dependerá muito da performance das lavouras diante de desafios climáticos e de manejo, ainda assim, espera-se um aumento de 17,6% na produção (9.031,6 mil toneladas de trigo).

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, com o objetivo de impulsionar o agronegócio brasileiro com qualidade e inovações tecnológicas.

Acesse o portal da Syngenta e acompanhe os conteúdos do Mais Agro para saber tudo o que está acontecendo no campo!