Presente em todas as áreas produtoras de café do Brasil, a ferrugem, doença causada pelo fungo biotrófico Hemileia vastatrix, é considerada uma das principais ameaças à produtividade da cultura e à rentabilidade dos cafeicultores. 

Na lavoura, o fungo utiliza as folhas do cafeeiro para colonizar, extrair nutrientes da planta (dano oculto) e, em sua última fase de vida, começam a surgir os sinais de sua presença na face do lado de baixo das folhas, onde é possível visualizar os esporos (massa pulverulenta alaranjada).

Infelizmente, a consequência de ataques severos da doença ocasionam a desfolha parcial ou total da planta, gerando perdas que podem chegar a 50% da produtividade.

Ao analisarmos a história, a ferrugem-do-cafeeiro foi tão devastadora que se tornou responsável pela mudança nos hábitos de consumo dos ingleses, que tinham a região do Ceilão como principal produtora de café. Devido ao surgimento da doença e a drástica redução da produção de café na época, os ingleses passaram a consumir chá, substituindo a bebida e adotando novas preferências.

Ao longo de toda a história até os dias atuais, muitos estudos, para compreender as características do patógeno e o comportamento da doença ao longo do tempo, concluíram que a doença deve ser controlada de forma preventiva ou com, no máximo, 3% de incidência de folhas com sinais.  

 A identificação precoce da doença pode ser fator decisivo. Além disso, o conhecimento sobre as condições favoráveis, primeiros sintomas e monitoramento dos focos na região de cultivo são fundamentais.

Ferrugem-do-cafeeiro: sintomas, condições favoráveis e identificação

Estima-se que cerca de 95% do parque cafeeiro do Brasil é composto por cultivares suscetíveis à ferrugem, e em todas as regiões produtoras, mesmo que o país tenha dimensões continentais, o clima é favorável para o desenvolvimento da doença, assim como a presença do patógeno, que já foi confirmada. 

Portanto, todas as condições básicas para a ocorrência da doença existem e a atenção do cafeicultor em relação ao surgimento da ferrugem deve acontecer durante todo o ciclo produtivo da cultura.

Identificação

A ferrugem-do-cafeeiro, também conhecida como ferrugem-alaranjada-do-café, é causada pelo fungo biotrófico Hemileia vastatrix, pertencente ao filo Basidiomycota, mesmo filo de outras ferrugens importantes, como é o caso da ferrugem-asiática, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, importante doença da cultura da soja.

A identificação da doença pode ser realizada pela observação de estruturas de coloração alaranjada, denominadas pústulas, localizadas na face inferior das folhas.

ferrugem do cafeeiro

Geralmente os primeiros sinais são observados nas folhas mais velhas  (parte interna) no terço inferior da planta, e, com a evolução da doença, posteriormente esses sinais evoluem para os terços médio e superior. 

Porém uma dica importante: quando os primeiros sinais são visualizados, certamente o processo de infecção de outras folhas da planta já está em andamento, no entanto, de forma latente, sem manifestação visual dos sinais, por isso a identificação precoce é primordial para o controle e a redução de perdas causadas pela doença.

Condições favoráveis

Estações chuvosas, com alta umidade relativa do ar, especialmente em anos de maior carga de frutos, favorecem a ocorrência da doença.

Temperaturas entre 22 e 30ºC, UR alta no período noturno e ocorrência de chuvas prolongadas são fatores que favorecem o desenvolvimento da doença. 

Em condições favoráveis ao seu desenvolvimento, plantas com alto potencial produtivo ficam mais predispostas ao ataque da doença, pois o cafeeiro tem alto acúmulo de açúcares e nutrientes que vão servir como alimento para o fungo. Além de alta carga pendente, um fator importante para o desenvolvimento são os cultivos de café adensados e sombreados, pois podem criar microclimas favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Sintomas

Inicialmente, a doença se manifesta pelo surgimento de manchas de coloração clorótica/amarelada translúcidas na face inferior do limbo foliar.  As manchas atingem entre 1 e 2 cm de diâmetro.

ferrugem do cafeeiro

Em função da infecção fúngica, a doença causa:

  • queda precoce de folhas;
  • interferência no desenvolvimento dos botões florais;
  • desenvolvimento irregular dos frutos;
  • redução da produtividade e da qualidade dos frutos produzidos;
  • seca dos ramos produtivos;
  • depauperamento da lavoura.

Leia também

Clima quente e seco deixa cafeeiros mais suscetíveis ao bicho-mineiro

VERDADERO®: a raiz das altas produtividades no café

Portal MIRAVIS®: uma imersão na nova dimensão de fungicidas

Manejo da ferrugem-do-cafeeiro

O método mais utilizado e eficiente para o controle da ferrugem-do-cafeeiro é a pulverização foliar com fungicidas e, devido às características do patógeno, sendo este  biotrófico, de rápida reprodução no hospedeiro e potencial rápido de disseminação, recomenda-se que fungicidas de contato e sistêmicos sejam utilizados no controle.

Os fungicidas de contato atuam conferindo proteção, principalmente externa, evitando que o patógeno estabeleça a infecção no interior dos tecidos da planta.

Já o fungicida sistêmico pode ser translocado internamente pelos tecidos da planta, com efeito principalmente curativo. 

Deste modo, o patógeno é controlado no interior dos tecidos, evitando que continue a infecção e que produza novas estruturas fúngicas que disseminarão a doença para outras plantas: os urediniósporos (fase de reprodução assexuada).

Algumas estratégias de manejo da ferrugem-do-cafeeiro incluem:

  • monitoramento constante para rápida identificação da doença;
  • monitoramento das condições ambientais favoráveis;
  • uso de variedades resistentes ou tolerantes à doença;
  • maior espaçamento entre plantas, para contribuir na ventilação do estande, bem como maior incidência de luz, reduzindo o microclima favorável à doença;
  •  controle com fungicidas que combinem ingredientes ativos de contato e sistêmicos,  para um controle mais eficiente.

Neste sentido, o controle com fungicidas deve proporcionar alto poder preventivo, amplo espectro de ação e longo efeito residual para a cultura.

Venha para o lado Invict® da proteção do café

Para cafeicultores que buscam uma solução completa, a Syngenta apresenta em seu portfólio Invict®, um fungicida inovador que proporciona alta performance de controle para as principais doenças do café, com destaque para ferrugem-do-cafeeiro, proporcionando praticidade e conveniência devido à sua formulação exclusiva. 

Um produto completo, feito para um café sem fronteiras.

INVICT® é um fungicida sistêmico e de contato usado em pulverizações preventivas para o controle de doenças da parte aérea do café. 

Seu foco é, principalmente, o controle de ferrugem, uma doença de grande importância para a cafeicultura.

Entenda como INVICT® funciona:

INVICT® é a combinação inteligente de compostos com características opostas dentro do mesmo produto, o que proporciona alta eficácia de controle e flexibilidade em uma formulação inovadora:

  • azoxistrobina, pertencente ao grupo químico das estrobilurinas, e solatenol, pertencente à classe das carboxamidas.

Enquanto a azoxistrobina protege a planta sistematicamente, o solatenol confere amplo efeito protetor, evitando que o fungo penetre os tecidos da planta.

fungicida para ferrugem do cafeeiro

Características das moléculas:

  • a azoxistrobina possui alta solubilidade em água e baixo Kow, sendo a estrobilurina mais sistêmica dentro do grupo das estrobilurinas. Penetra rapidamente na folha, garantindo a proteção do seu interior assim que toca a planta.
  • Já o solatenol, um composto inovador do grupo das carboxamidas, tem baixa solubilidade em água e alto Kow, o que confere alta aderência às folhas, garantindo maior poder residual.

Assim, a combinação de um ativo sistêmico e um de alta fixação potencializa os benefícios de ambos os ingredientes ativos, resultando em um controle mais eficaz das principais doenças do café!

Como INVICT® age?

2 ativos e 1 novo modo de ação!

Os dois componentes de INVICT® unem alta tecnologia, isto porque ambos agem em diferentes processos da respiração do patógeno, o que inibe, consequentemente, todas as suas outras fases, proporcionando duplo efeito e alta mortalidade no fungo.

Tecnologia: formulação Empowered Control 

Além disso, INVICT® conta com a tecnologia Empowered Control, resultando em uma calda de aplicação uniforme, totalmente homogênea e sem formação de nata ou grumos:

  • união de diferentes sistemas de surfactantes;
  • solvente ideal para cada ativo;
  • formulação robusta em ampla faixa de temperatura.

A sua nova formulação Empowered Control eleva o controle da doença devido a: 

  • retenção: maior número de gotas aderidas nas folhas;
  • espalhamento: redução da tensão superficial, facilitando a penetração na folha;
  • translocação: maior quantidade de ativos atuando no interior da planta.

Por que utilizar INVICT®?

INVICT® protege o cafeeiro de todo o complexo de doenças:

ferrugem do cafeeiro

Por que o INVICT® é o fungicida mais completo?

  • Novo modo de ação
  • Alta eficácia no controle
  • Estrobilurina mais sistêmica
  • Efeito fisiológico
  • Sem restrições regulatórias
  • Seletividade
  • Formulação que eleva o controle
  • Altamente compatível em misturas
  • Conveniência: não necessidade de óleo

Resultado? Proteção COMPLETA!

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, oferecendo as soluções necessárias para construirmos juntos um agro cada vez mais inovador, rentável e sustentável.

Acesse o portal da Syngenta e acompanhe os conteúdos do Mais Agro para saber tudo o que está acontecendo no campo!