O algodão configura uma das principais cadeias produtivas do Brasil. A cultura avançou muito em produtividade nas últimas décadas, destacando o mercado nacional frente ao mercado global.

Além da fibra, que cada vez mais se destaca como uma opção mais sustentável para a produção de tecidos por ser uma alternativa biodegradável – diferentemente das fibras sintéticas –, o algodão gera importantes subprodutos, como biodiesel, óleo, farelo para alimentação animal e outros.

Toda essa versatilidade resulta na necessidade de cuidado em cada detalhe do cultivo para oferecer o melhor ao mercado consumidor. Ainda vale destacar que, tão importante quanto o manejo adequado, é a classificação do algodão, regida por normas técnicas que atestam não apenas a qualidade, como também promovem a valorização comercial da pluma.

Algodão: produção pode chegar a 6,6 mi toneladas em 2022

A cotonicultura responde por uma importante parcela do PIB (Produto Interno Bruto) e emprega milhões de brasileiros em sua cadeia de produção. Segundo projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a estimativa é de que a produção da cultura algodoeira cresça próximo a 15%, chegando a 6,6 milhões de toneladas em 2022. Apenas a pluma da fibra deve registrar uma produção de 2,71 milhões de toneladas.

Segundo o levantamento, essa projeção reflete não apenas o aumento da área cultivada, mas também das condições climáticas favoráveis à semeadura, à germinação e ao desenvolvimento vegetativo.

Esses resultados contribuem para que o Brasil se consolide como um dos cinco maiores produtores mundiais de algodão, ao lado de países como China, Índia, EUA e Paquistão.

Além disso, de acordo com a Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), o país também figura entre os maiores exportadores e consumidores do algodão em pluma.

Classificação do algodão: qualidade e certificação

Antes de mais nada, é preciso destacar que a qualidade do algodão está ligada a um conjunto de fatores, como cuidados no manejo adequado, investimento em alta tecnologia, implantação de boas práticas no plantio e rastreabilidade do cultivo. Para realizar a avaliação da qualidade do algodão, conta-se com um padrão de classificação que leva em conta tais critérios.

Estima-se que o primeiro padrão de classificação do algodão em pluma surgiu na Inglaterra em 1800 e foi implementado com o objetivo de proteger indústrias têxteis ingleses contra o recebimento de fibras de algodão de má qualidade.

No Brasil, o estabelecimento do primeiro padrão de algodão foi em 1925. Atualmente, a classificação está prevista na Instrução Normativa 24, que está sempre sendo atualizada para que o setor cotonicultor tenha uma melhora constante na qualidade da fibra para fins de comercialização e processamentos.

Entre as vantagens da padronização universal para a classificação estão:

  • elimina diferenças de preço entre os mercados;

  • oferece meios para solucionar disputas;

  • torna o produtor mais consciente sobre o valor do seu produto, permitindo que se encontre em uma melhor posição para negociar;

  • beneficia o comércio do algodão.

Leia mais

Algodão: estimativa de produtividade segue otimista

Produtores em alerta devido ao alto custo do crédito rural

Fatores avaliados na classificação do algodão

Algodão

A avaliação dos fatores de identidade e qualidade na classificação do algodão é realizada através de instrumentos de alta capacidade analítica. O HVI (High Volume Instrument), por exemplo, é um equipamento utilizado para medir as características da fibra do algodão, capaz de fornecer diversas informações relevantes sobre sua qualidade.

Segundo o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o Regulamento Técnico do Algodão em Pluma no Brasil define o padrão oficial de classificação do algodão em pluma, com os requisitos de:

  • identidade e qualidade;

  • amostragem;

  • modo de apresentação;

  • marcação ou rotulagem.

Além disso, a qualidade da fibra de algodão e seu valor no mercado também podem ser avaliados por algumas características específicas destacadas no Manual para a Padronização da Classificação Instrumental do Algodão, entre elas:

  • índice de fibras curtas;

  • comprimento da fibra;

  • uniformidade do comprimento;

  • resistência (resiliência, elasticidade e fiabilidade) da fibra;

  • cor (refletância, amarelamento e grau);

  • micronaire (componentes de finura e maturidade);

  • regularidade da massa;

  • umidade;

  • maturidade;

  • sedosidade;

  • contagem, área e grau de impurezas como fragmentos de casca dos caroços e contaminantes vegetais.

Por tudo isso, pode-se afirmar que hoje o algodão brasileiro alcança grande relevância e credibilidade no mercado, uma conquista que é fruto do trabalho e do esforço dos produtores brasileiros.

Incansáveis, os cotonicultores estão cada vez mais em busca de uma classificação de algodão criteriosa, atualizada e que sirva de referência para as diversas etapas da cadeia produtiva.

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, com o objetivo de impulsionar o agronegócio brasileiro com qualidade e inovações tecnológicas.

Acesse o portal da Syngenta e acompanhe os conteúdos do Mais Agro para saber tudo o que está acontecendo no campo!