A safra 2021/22 da cultura do milho apresenta boas perspectivas de produtividade. De acordo com o 10º levantamento da safra de grãos, divulgado pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) em julho de 2022, a estimativa é de uma colheita de cerca de 115,66 mil toneladas, o que corresponde a um crescimento de 32,8% a mais em relação ao ano passado, mesmo com as condições climáticas adversas que atrasaram o plantio do milho safrinha no início do ano.

No mês de julho houve um progresso significativo na colheita do milho safrinha em todas as regiões produtoras de milho, chegando a 59,6% de áreas colhidas até o último progresso de safras da Conab, divulgado no dia 25 de julho. Já o milho 1ª safra atingiu 98,8% de área colhida

Andamento da colheita da safrinha no Brasil

A colheita do milho safrinha no Brasil está mais adiantada em relação ao mesmo período do ano passado e, mesmo com um pequeno atraso de junho, deslanchou neste mês, com previsão de finalizar a colheita dentro do prazo previsto.

Acompanhe o andamento em cada região.

Região Centro-Oeste

No Mato Grosso, principal Estado produtor de milho do país, o clima favoreceu o progresso da colheita, chegando a 90,3%, uma evolução de quase 10% em comparação com a semana anterior, do dia 16 de julho. Além disso, os rendimentos continuam elevados na maioria das regiões.

No Mato Grosso do Sul, a colheita ainda está ganhando ritmo, passando de 16% para 19% em 23 de julho, já que o clima favoreceu a diminuição da umidade dos grãos, acelerando os trabalhos nas lavouras.

Em Goiás, os danos causados pelo déficit hídrico e pelos ataques de cigarrinhas tornam-se mais evidentes com a evolução da colheita, que seguiu firme nesta última semana, saltando de 39% para 60%.

Estado do Paraná

No Paraná, Estado onde está concentrada a maior parte das áreas produtoras de milho do Sul, o clima favoreceu a colheita, que já alcança a marca de 30%, com chance de evoluir ainda mais nas próximas semanas.

Região Matopi

Maranhão e Tocantins já estão na fase final de colheita, com resultados superiores em produtividade, proporcionando bons rendimentos aos produtores. Maranhão chegou a 75% de área colhida e Tocantins fechou a semana com 87%.

No Piauí, 60% das lavouras ainda se encontram em fase de maturação e cerca de 40% das áreas já finalizaram suas colheitas.

Veja também

Maquinários agrícolas: confira o cenário para o setor em 2022

Preços do milho no último mês

Com o avanço da colheita de milho safrinha, os preços praticados no mercado brasileiro sofreram algumas oscilações no último mês, registrando queda em algumas regiões.

Na última divulgação do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), até o dia 17 de julho as condições das lavouras americanas de milho registravam 61% em condições boas e excelentes, 25% em situação regular e 14% em condições ruins e muito ruins.

Com a falta de chuvas que o país norte-americano tem sofrido, os preços do milho em todo o mundo se mantêm instáveis.

Segundo o indicador de milho da Esalq (Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz), no dia 25 de julho a saca de 60 kg do cereal custava R$ 80,20, uma queda de 4,01% na variação mensal, visto que no dia 19 do mesmo mês o preço da saca estava em R$ 81,67.

Vale ressaltar que esse valor próximo de R$ 80,00 é o menor registrado desde o final de 2020, quando houve uma queda nos preços do milho.

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, com o objetivo de impulsionar o agronegócio brasileiro com qualidade e inovações tecnológicas.

Acesse o portal da Syngenta e acompanhe os conteúdos do Mais Agro para saber tudo o que está acontecendo no campo!