A citricultura brasileira é uma peça-chave no cenário global de produção de frutas cítricas. Com um histórico de liderança na produção e na exportação, o Brasil desempenha um papel vital no abastecimento mundial de sucos e frutas derivadas. 

Não à toa, segundo dados da Fundecitrus, a cada cinco copos de suco consumidos no mundo, três têm origem em terras brasileiras, correspondendo a 79% de todo o suco de laranja comercializado no mundo

O país tem uma longa tradição no cultivo de citrus, com destaque para São Paulo, principal polo produtor, responsável por mais de 13 milhões de toneladas colhidas em 2022. Para a safra 2024, as estimativas se mantêm, com produção esperada de mais de 302 milhões de caixas da fruta.

Só para a cultura do citrus, o país possui mais de 169 milhões de plantas produtivas, segundo relatório Fundecitrus (dados de fevereiro de 2024), em uma área correspondente há mais de 387 mil hectares (desses, mais de 50.000 são considerados não produtivos em função do estádio de desenvolvimento das plantas, mas também pela ocorrência de pragas e doenças).

No entanto, entre as doenças, o greening, causado pela bactéria Candidatus Liberibacter spp. é a mais devastadora aos pomares em todo mundo, tendo em vista que não possui tratamento, causando prejuízos crescentes que ameaçam a produtividade e o futuro dos pomares, exigindo cada vez mais conhecimento técnico para o manejo do inseto-vetor: o psilídeo-asiático-dos-citrus.

Greening e seus impactos na citricultura

Nos últimos anos, a cultura dos citrus tem enfrentado um desafio sem precedentes: o greening, doença que ameaça a saúde dos pomares e a sustentabilidade do setor

O relatório anual da Fundecitrus sobre a prevalência do greening indica um aumento alarmante da doença, passando de 24,42% em 2022 para 38,06% em 2023 no cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro. 

Esse crescimento de 56% representa cerca de 77,22 milhões de árvores doentes em um total de 202,88 milhões de laranjeiras no parque citrícola. Este é o sexto ano consecutivo de aumento na incidência, sendo o maior registro desde 2008.

A disseminação do greening é evidente em todas as regiões e tamanhos de propriedades, demandando uma abordagem cuidadosa por parte dos citricultores para controlar efetivamente a doença. 

As regiões mais afetadas permanecem sendo Limeira (73,87%), Brotas (68,53%), Porto Ferreira (59,65%), Duartina (55,66%) e Avaré (54,79%). Além disso, Altinópolis ingressou nesse grupo com uma incidência de 40,60%, apresentando um aumento significativo em relação ao ano anterior.

Em regiões intermediárias, como São José do Rio Preto (20,54%), Bebedouro (20,37%), Matão (17,42%) e Itapetininga (11,47%), a incidência é considerável. Destaca-se o aumento importante em Bebedouro e Matão, que estavam estáveis ou em declínio nos últimos cinco anos. Votuporanga (1,77%) e Triângulo Mineiro (0,35%) continuam com as menores incidências, porém também registraram aumento da doença na última safra.

Ao analisar a trajetória histórica da produção de laranja no Brasil, conforme dados do Fundecitrus de 2024, nota-se um aumento significativo no número de árvores não produtivas

Na safra 2015/16, aproximadamente 24 milhões de árvores estavam nessa condição, enquanto na safra 2023/24 esse número ultrapassa os 33,5 milhões, representando quase 30% de aumento. Em contrapartida, o número de árvores produtivas apresentou uma leve redução durante o inverno. Na safra 2015/16, eram mais de 174 milhões, enquanto na safra 2023/24 são mais de 169 milhões, o que equivale a uma diminuição de quase 3%.

Evolução do número de plantas produtivas, plantas não produtivas e produção total de laranja no Brasil desde a safra 2015/16. Fonte: Adaptado de Fundecitrus, 2024.

Mas quem causa o greening do citrus, afinal?

O greening, também conhecido como huanglongbing (HBL), é uma doença causada pela bactéria C. liberibacter spp., sendo o psilídeo Diaphorina citri seu principal vetor, desempenhando um papel crucial na disseminação da doença. 

Sem a presença desse inseto-vetor, a bactéria teria dificuldades significativas para se disseminar a curtas distâncias. Assim, o psilídeo torna-se essencial para a ocorrência do greening, ao infectar as plantas de citrus com a bactéria.

Os sintomas característicos do greening manifestam-se por meio de folhas com padrões mosqueados de forma assimétrica, bem como frutos de tamanho reduzido e frequente abortamento de sementes.

Sintomas do HLB em folhas e frutos de citrus: (A) Folhas com padrão mosqueado, variando de verde-escuro a amarelado, mesclado com o verde natural da folha; (B) Engrossamento e clareamento das nervuras das folhas; (C) Amarelecimento generalizado das folhas em plantas jovens; (D) Frutos com coloração irregular da casca, evidenciando manchas amareladas e verde-claras; (E) Espessamento do albedo e filetes alaranjados a partir da região do pedúnculo em frutos cortados longitudinalmente; (F) Columela espessa com deslocamento do eixo central em frutos. Fonte: Efron, 2018.

Conforme a bactéria responsável pelo greening se desenvolve nos vasos do floema, ocorre uma séria interferência (obstrução dos vasos) na circulação da seiva elaborada nesse sistema. Esse processo compromete consideravelmente a produtividade dos pomares, levando a uma redução significativa na quantidade e na qualidade dos frutos produzidos.

Em situações extremas, os pomares podem tornar-se economicamente inviáveis devido à redução na qualidade e na quantidade da produção. Portanto, o greening representa não apenas uma ameaça à saúde das plantas, mas também um desafio significativo para a sustentabilidade econômica da citricultura brasileira e mundial.

Desafios e manejo do greening 

O manejo do greening é uma tarefa desafiadora, que requer a implementação de um conjunto diversificado de estratégias para combater a doença de forma eficaz. Esse tripé de abordagens envolve:

  • aquisição de mudas certificadas e sadias: o primeiro passo crítico é garantir a utilização de mudas provenientes de viveiros certificados. Ao optar por mudas certificadas, os produtores asseguram a sanidade das plantas desde o estágio inicial de desenvolvimento. Isso ajuda a prevenir a introdução do greening no pomar;
  • controle do inseto-vetor: um aspecto fundamental do manejo do greening é o controle eficaz do inseto-vetor, o psilídeo D. citri. Para isso, é necessário empregar medidas de manejo integrado de pragas, que incluem o uso criterioso de inseticidas. No entanto, é importante adotar uma abordagem equilibrada, que minimize os impactos ambientais e preserve os inimigos naturais dos psilídeos;
  • erradicação de plantas doentes no pomar: uma prática essencial para conter a propagação do greening é a erradicação de plantas doentes no pomar. Remover os focos de infecção é fundamental para reduzir a disseminação da doença e evitar a contaminação de outras árvores saudáveis. No entanto, é importante realizar essa erradicação de forma adequada e completa, evitando deixar resquícios de plantas infectadas que possam servir como fonte de inóculo para novas infecções.

Essas estratégias formam uma abordagem integrada para o manejo do greening, visando não apenas controlar a doença, mas também prevenir sua propagação e minimizar seus impactos sobre a citricultura. 

Controle do psilídeo causador do greening

O controle do psilídeo com inseticidas, principal vetor do greening, é uma ferramenta importante na gestão da doença. 

No entanto, os desafios são significativos. A resistência aos inseticidas tem se tornado uma preocupação crescente devido ao uso repetido dos mesmos produtos ao longo do tempo. Para enfrentar esse problema, surgiu o conceito de citrimanejo.

O citrimanejo é uma abordagem técnica da Syngenta que visa não apenas combater e controlar o greening, mas também preservar a eficácia dos princípios ativos e minimizar o desenvolvimento de resistência. 

A Fundecitrus tem desempenhado um papel crucial nesse contexto, oferecendo assistência técnica aos produtores e promovendo a adoção de estratégias sustentáveis de manejo.

Para o controle do greening, a Syngenta, líder no segmento, dispõe de um portfólio robusto e completo para o manejo. Acesse e confira agora mesmo.

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, oferecendo as soluções necessárias para construirmos, juntos, um agro cada vez mais inovador, rentável e sustentável.

Confira a central de conteúdos Mais Agro para ficar por dentro de tudo o que está acontecendo no campo.